Pular para o conteúdo principal

AF 447 da Air France dois anos depois...

As operações para retirar restos mortais de passageiros e parte da fuselagem do avião AF 447 da Air France, localizados no Oceano Atlântico no domingo, deverão começar no prazo de três semanas a um mês, afirmou nesta segunda-feira Alain Bouillard, responsável pelas investigações do acidente.

O avião Airbus da Air France caiu no oceano em 31 de maio de 2009 após decolar do Rio de Janeiro com destino a Paris com 228 passageiros a bordo. Somente cerca de 50 corpos haviam sido encontrados pouco após a catástrofe.

Nesta manhã, a ministra francesa dos Transportes, Nathalie Kosciusko-Morizet, disse que uma “grande parte” do avião havia sido localizada no domingo e que “corpos se encontram no interior da fuselagem e poderão ser identificados”.

“Uma licitação já foi lançada para escolher o navio e os equipamentos que serão utilizados para retirar os destroços e os corpos”, disse Morizet.

Alain Bouillard, do Escritório de Investigações e Análises (BEA, na sigla em francês), responsável pelas investigações do acidente, afirmou durante a coletiva que “vários corpos” foram encontrados, mas, como a ministra, não quis dar mais detalhes sobre o assunto, afirmando que as famílias das vítimas deverão ser informadas primeiro.

Segundo alguns especialistas citados pelo jornal Le Figaro, a baixa temperatura e a pressão da água, além da profundidade, de quase 4 mil metros, teriam permitido que os corpos fossem conservados.

A descoberta da fuselagem aumentou consideravelmente as esperanças dos investigadores de encontrar as caixas-pretas do avião, consideradas “fundamentais para determinar as causas do acidente”, disse Bouillard.

Mas mesmo que elas sejam encontradas, os técnicos do BEA não sabem ainda se as informações gravadas nas caixas-pretas (dados técnicos sobre o voo e conversas dos pilotos) teriam sido conservados e poderiam ser analisados.

Fonte: ùltimo segundo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nova Cruz: Câmara Municipal mostra submissão ao executivo e aprova projeto que "enterra" direitos do professor...

Tudo dentro do Script.
Sabe aquele filme de terror que tem muita trama, mentiras, traições, mas todo mundo sabe como acaba. Foi assim com a votação do Projeto de Lei 006/2017 enviado pelo prefeito de Nova Cruz, Targino Pereira e aprovado pela maioria absoluta da Câmara Municipal de Nova Cruz.
A Sessão Ordinária desta sexta-feira (30), mas que teve sabor de 13, marcou o fim dos trabalhos do primeiro semestre do Edis, mas manchou de forma imensurável a educação do município de Nova Cruz de forma negativa.
Um resultado previsível que ficou evidente que aconteceria logo após a realização da audiência pública pela clara posição dos vereadores naquele momento.
Não adiantou mostrar as perdas para a categoria e para os alunos, o plágio evidente do anexo IV de um projeto baiano; o não exito na cidade de Monte Alegre - RN quando foi lá implementado; a falta no documento de 10 anexos, dentre muitos outros melíficos que estavam nas entrelinhas.
Valeu de fato a submissão da bancada governista ao Poder …

Candidatos a professor temporário já podem realizar suas inscrições...

Já está disponível a inscrição para professor temporário para o estado do Rio Grande do Norte. 


O candidato que desejar concorrer a uma vaga deve preencher a ficha, fazer o pagamento da inscrição, efetuar o pagamento da taxa de inscrição e  entregar todos os documentos na respectiva DIRED do município para qual optou na Ficha de Inscrição, até às 13 horas, do dia 10 de maio de 2017.

Para ter acesso a inscrição CLICK AQUI.

Nova Cruz não tem como dar incentivo fiscal a empresa, diz Prefeito Targino Pereira, em matéria da InterTV...

A 2ª Edição do RN TV da InterTV Cabugi  apresentou matéria sobre o fechamento da fabrica da Alpargatas em Nova Cruz.
Dos pontos apresentados na matéria três chamam bastante atenção.
- O motivo alegado pelos empresários que o fechamento se deu devido a crise financeira e falta de incentivo fiscal contrapondo com a discordância do sindicato sobre esses argumentos.
- O posicionamento do prefeito Targino Pereira, confirmando que o município não tem como dar esse incentivo fiscal a empresa e admitindo que o município recebia pagamento de  uma taxa de licença para funcionamento. Sendo que ainda prometeu tentar suprir a ausência da Alpargatas com a abertura de outra empresa. ( Mas sem  referir se seria com incentivo ou não). 
- A negativa por parte do Secretário de Desenvolvimento Econômico do RN, Flávio  Azevedo, em razão dos motivos apresentados pela empresa afirmando  que os empresários  do grupo Alpargatas nunca solicitaram ao estado nenhum tipo de incentivo fiscal.

O fato é que hoje são 375 …