Piso salarial do professores...

O STF ratificou o piso nacional para os professores em R$ 1.187,97 para uma carga horária de 40 horas. Enquanto o governo Rosalba Ciarlini faz jogo duro em sequer apresentar uma proposta para a categoria, o governo da Paraiba já garantiu que vai cumprir a Lei e pagar o piso salarial aos professores.

"O secretário de Educação do Estado, Celso Scocuglia, confirmou que vai pagar o piso nacional do magistério que estabelece vencimento básico de R$ 1.187,97 para o exercício de 40 horas semanais. Já o presidente da Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup), Rubens Germano, afirmou que apenas parte dos municípios poderá encontrar dificuldade para pagar o mínimo. A validade do piso nacional de Educação foi confirmada na última quarta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF)"

O SINTE - RN divulgou no Extra-Classe da edição de março, 2011, a tabela remuneratória para o Magistério.

Acompanhe a sua categoria e os valores propostos: (Click na tabela para ampliar)

TABELA DE VENCIMENTOS DO MAGISTÉRIO - 30 HORAS

Tabela 1 - Professor - Parte Permanente


Tabela II - Professor - Parte Suplementar - 30 horas

Tabela III - Especialista em Educação - Parte Suplementar


Tabela IV - Tec. em Educação - Parte Suplementar


DO BLOG:

São cifras, que mesmo não sendo o ideal parece um sonho, mas caro colega professor e amigos leitores do blog, esses valores dificilmente serão pagos (para não dizer que nunca serão pagos) por vários motivos:

1 - Seria preciso uma mobilização muito  grande da categoria (algo que não vem acontecendo nos últimos anos);

2 - Em quatro audiências com o governo do estado o SINTE não conseguiu uma resposta positiva sequer.

3 - O estado vai alegar que não tem dinheiro para pagar esses salários e mesmo o Governo Federal está disponibilizando 1 bilhão de reais para ajudar estados e municípios para que possam pagar o piso, a liberação perpassa pelos seguintes pontos que os beneficiados com os repasses (governos e prefeituras) devem cumprir:

a) Aplicar 25% de suas receitas na manutenção e desenvolvimento do ensino;
b) Preencher o SIOPE (Sistema de Informação sobre Orçamento Público na Educação);
c) Cumprir o regime de gestão plena dos recursos vinculados para manutenção e desenvolvimento do ensino;
d) Dispor de plano de carreira para o magistério com lei específica;
e) Demonstração cabal do impacto da lei do piso nos recursos de estado ou município.

Espero que esteja errado em minha opinião e que consigamos uma mobilização em massa da categoria e se caso não seja atingido o objetivo  possamos fazer uma GREVE de verdade, sem fins políticos ou benefícios pessoais.

Comentários

  1. professor joão maria!
    também sou professor e como você citou na matéria acho impossível um dia nós ganharmos esse salário.infelizmente nossos governantes,um após outro,não tem compromisso algum com a educação,além do mais acho o nosso sindicato(sinte-rn)muito fraco,sem organização e sem força para arrancar deles o que a categoria espera e merece.além do mais o sindicato falha muito com a falta de informação aos professores,não dão as devidas informações a própria categoria.e nós,educadores,infelizmente,também somos muito fracos,temos medo de organizar um movimento grevista de vergonha que realmente pare o estado chamando a atenção das autoridades para a grande injustiça que a nós é dispensada.queira Deus que estejamos errados e que o governo rosalba pague o piso,incondicionalmente.parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  2. Professor João, também faço parte dessa categoria tão sofrida e estou indignada com a postura de nossa governadora que tem se mostrado inflexível.Penso que esta greve é legitimíssima e deveria contar com a adesão de todos da sociedade.Temos uma gorda carga tributaria em nosso país e péssimos serviços públicos.Acorda povo brasileiro!DINHEIRO tem só falta compromisso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Candidatos a professor temporário já podem realizar suas inscrições...

Nova Cruz: Câmara Municipal mostra submissão ao executivo e aprova projeto que "enterra" direitos do professor...