Pular para o conteúdo principal

A roda viva da Política...

“A política cria estranhos companheiros de cama” – “Politics makes strange bedfellows”

Adversários e inimigos de ontem, por razões de interesse político, unem-se, somam forças, para lutar por algum objetivo em comum.

A expressão assinala aquela situação em que, para surpresa geral, adversários e até inimigos de ontem, por razões de interesse político, unem-se, somam forças, para lutar por algum objetivo em comum. Não se trata, no entanto, de momentos críticos na história de uma comunidade, nos quais a defesa e a sobrevivência da comunidade exigem a união de todos: este é o caso da união heróica.

Charles Warner sintetizou o espírito de uma das mais tradicionais regras políticas

A referência de Warner aplica-se a situações desprovidas de qualquer heroísmo: as de conveniência política, de convergência conjuntural de interesses. Por isso, são recebidas com surpresa geral.

A imagem da “cama” acentua a intimidade com que essa nova e inesperada aliança foi firmada. A expressão “companheiro de cama” é empregada a políticos cuja inimizade é histórica e quer denotar o quanto aquele interesse comum é forte, a ponto de gerar tanta afinidade.

Não é por pouca coisa que rivais históricos abrem mão de suas diferenças, esquecem os agravos passados e contornam a resistência de seus tradicionais pares a fim de compor uma união. O ato significa que eles foram capazes de vencer, cada um em seu próprio território, fortes oposições pessoais, grupais e partidárias para consumar a união.

Em geral, episódios de “estranhos companheiros de cama” ocorrem de uma mesma forma e principalmente por uma razão.

A forma

Não é por pouca coisa que rivais históricos abrem mão de suas diferenças, esquecem os agravos passados e contornam a resistência de seus tradicionais pares a fim de compor uma união.

Quem toma a iniciativa, invariavelmente, é o lado mais forte: aquele que ganhou a eleição, que está no governo, que goza de uma boa avaliação por parte da opinião pública. E o principal “lance” é o anúncio. Mas antes dele houve um sério e cauteloso processo de negociação, cujas fases principais foram:

(1) a seleção de um intermediário que tenha a confiança dos dois líderes para levar a mensagem com a idéia

(2) uma breve e secreta comunicação entre os dois para que seja dado o sinal verde ao procedimento

(3) a designação de pessoas, que também sejam confiáveis, para se reunirem e aplainarem as arestas, elaborando uma espécie de protocolo

(4) o acerto final do protocolo

(5) a escolha da data, forma, das falas e das medidas que serão adotadas na ocasião em que o “lance” será levado a público

Comunicada a união, os líderes precisarão investir tempo e capacidade de argumentação para conferir-lhe uma dimensão de grandeza e altruísmo. É o momento de fazer vencer a versão oficial, que tem a missão de tornar palatável à população o inusitado da união de flancos inicialmente opostos.

As razões

A razão mais freqüente para juntar dois oponentes é a tentativa de cooptação, isto é, de atrair para o seu lado quem até então foi adversário. Trata-se de um dos processos políticos mais utilizados para:

■Reforçar a equipe com pessoas qualificadas, que são independentes, adversários ou a estes ligadas

■Enfraquecer os argumentos contrários da oposição

■Aumentar o apoio político e a legitimidade

Reações dos eleitores

Em geral “lances” políticos dessa natureza despertam muita desconfiança entre os cidadãos e tendem, pelo menos num primeiro momento, a produzir desgastes para as duas partes envolvidas. O indivíduo comum em geral conserva uma visão fortemente moralista da atividade política. Assistir a uma cena na qual políticos que sempre foram adversários ferrenhos aparecem juntos, alegres e sorridentes, elogiando-se mutuamente, parece-lhe uma prova suprema de hipocrisia, da falta de princípios e dos interesses possivelmente espúrios que os aproximaram.

Por outro lado, surgem também – embora com menor força e abafados pela reação inicial – sentimentos de surpresa, curiosidade, expectativa e até uma simpatia “enrustida”. Existe uma convenção social que aprova gestos que signifiquem fazer as pazes, perdoar agravos, unir-se em nome de uma causa maior

Atitude dos políticos

Os políticos que patrocinam a “subida na cama”, deverão exibir a iniciativa como um ato que corteja aquela “aprovação social” acima referida. A união foi buscada em prol de um objetivo maior, do interesse da coletividade. Assim, para realizá-la era preciso ter a capacidade de superar hostilidades passadas e olhar para o futuro. Precisam, ainda, enfrentar o estigma da mudança. A realidade política é dinâmica, a vida muda, cada um de nós também muda e permanecer amarrado ao passado é um sinal evidente de decadência.

A freqüência com que os procedimentos de cooptação são adotados por todos os governos, de todas as filiações partidárias, é um indicador seguro de que ela é eficiente e funciona. A população, ressalvados segmentos menores intransigentes, aceita a composição política realizada dessa maneira. Por essas razões, a política é uma atividade que cria estranhos companheiros de cama e que por certo os continuará criando. Algumas observações sobre a ocorrência de tal procedimento:

■Quanto mais polarizada estiver a situação política, menos provável será sua ocorrência

■Quanto mais radicalizado o conflito entre os grupos e respectivas lideranças, será menos provável que o fenômeno se realize

■Quanto menor o tamanho da comunidade onde polarização e radicalização se manifestem, será, também, menos provável que ele ocorra.

Texto do site:  www.politicaparapoliticos.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Candidatos a professor temporário já podem realizar suas inscrições...

Já está disponível a inscrição para professor temporário para o estado do Rio Grande do Norte. 


O candidato que desejar concorrer a uma vaga deve preencher a ficha, fazer o pagamento da inscrição, efetuar o pagamento da taxa de inscrição e  entregar todos os documentos na respectiva DIRED do município para qual optou na Ficha de Inscrição, até às 13 horas, do dia 10 de maio de 2017.

Para ter acesso a inscrição CLICK AQUI.

Nova Cruz: Câmara Municipal mostra submissão ao executivo e aprova projeto que "enterra" direitos do professor...

Tudo dentro do Script.
Sabe aquele filme de terror que tem muita trama, mentiras, traições, mas todo mundo sabe como acaba. Foi assim com a votação do Projeto de Lei 006/2017 enviado pelo prefeito de Nova Cruz, Targino Pereira e aprovado pela maioria absoluta da Câmara Municipal de Nova Cruz.
A Sessão Ordinária desta sexta-feira (30), mas que teve sabor de 13, marcou o fim dos trabalhos do primeiro semestre do Edis, mas manchou de forma imensurável a educação do município de Nova Cruz de forma negativa.
Um resultado previsível que ficou evidente que aconteceria logo após a realização da audiência pública pela clara posição dos vereadores naquele momento.
Não adiantou mostrar as perdas para a categoria e para os alunos, o plágio evidente do anexo IV de um projeto baiano; o não exito na cidade de Monte Alegre - RN quando foi lá implementado; a falta no documento de 10 anexos, dentre muitos outros melíficos que estavam nas entrelinhas.
Valeu de fato a submissão da bancada governista ao Poder …

Política: O que muda para Nova Cruz com o governo Targino Pereira...