Pular para o conteúdo principal

O que é gostar de pobre?


Estamos chegando em mais um período de eleições municipais, com isso, muito do eleitorado ainda não decidiu em quem votar. Com a dúvida de muitos eleitores, os candidatos começam desde cedo a conquistar o eleitorado e ganhar um voto importante no mês de outubro.


Até a década de 60, vigorava entre os especialistas em eleição a idéia de que as campanhas eram dominadas pelos candidatos que oferecessem ao eleitor perspectivas de futuro de maior impacto – ou seja: vencia quem apresentasse as melhores propostas.

Hoje em dia a situação é um pouco diferente e muitos políticos usam de discursos e adjetivos totalmente eleitoreiros para tentar passar uma imagem ao eleitor totalmente distorcida da realidade.

"Quanto mais básicas são as necessidades do eleitor, mais pragmático é o seu voto", diz o cientista político David Fleischer, da Universidade de Brasília.

Usando dessa perspectivas alguns candidatos se auto denominam: "Pai da Pobreza" ; "Amigo do Pobre e do homem do campo"; "Prefeito do Pobres" e por ai vai...

Tá na moda dizer que esse ou aquele candidato deve ser votado porque gosta de pobre. Afinal, o que é gostar de pobre?

A princípio eu trocaria o termo pobre por "de poucas posses", depois, na minha singela opinião, favorecer as classes mais humildes:


  • É construir escolas e mantê-las em plena condições de funcionamento dando possibilidade aos alunos de uma boa formação para que no futuro venha exercer uma profissão digna e tornarem-se independente financeiramente;
  • É estruturar um hospital para seu pleno funcionamento e atendimento a população carente, afinal os "ricos" têm plano de saúde;
  •  É respeitar o funcionalismo público, fazer o pagamento em dia e dentro do mês e consequentemente impulsionar o comércio;
  • É fazer as compras de setores públicos no comércio local para fortalecer a economia da cidade e possibilitar a geração de mais emprego para a população carente;
  • É manter a merenda nas escolas com alta qualidade para nutrir os alunos que muitas vezes só tem aquela alimentação no dia.
Gostar de pessoas humildes e de poucas posses não está associado a dar-lhes uma cesta básica de tempos em tempos; Pagar uma conta de água ou luz e ficar cobrando seu voto para o resto da vida; Não é sentar numa mesa de bar e fingir tomar uma dose de cachaça...

Quem gosta das classes menos favorecidas cria condições para que saiam da linha de miséria e tornem-se autos suficientes.

Em cima do palanque ou de casa em casa todo político diz o que quer, resta aos eleitores identificarem se o discurso tem coerência ou não e depois dar-lhe o seu veredito com o voto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Candidatos a professor temporário já podem realizar suas inscrições...

Já está disponível a inscrição para professor temporário para o estado do Rio Grande do Norte. 


O candidato que desejar concorrer a uma vaga deve preencher a ficha, fazer o pagamento da inscrição, efetuar o pagamento da taxa de inscrição e  entregar todos os documentos na respectiva DIRED do município para qual optou na Ficha de Inscrição, até às 13 horas, do dia 10 de maio de 2017.

Para ter acesso a inscrição CLICK AQUI.

Nova Cruz: Câmara Municipal mostra submissão ao executivo e aprova projeto que "enterra" direitos do professor...

Tudo dentro do Script.
Sabe aquele filme de terror que tem muita trama, mentiras, traições, mas todo mundo sabe como acaba. Foi assim com a votação do Projeto de Lei 006/2017 enviado pelo prefeito de Nova Cruz, Targino Pereira e aprovado pela maioria absoluta da Câmara Municipal de Nova Cruz.
A Sessão Ordinária desta sexta-feira (30), mas que teve sabor de 13, marcou o fim dos trabalhos do primeiro semestre do Edis, mas manchou de forma imensurável a educação do município de Nova Cruz de forma negativa.
Um resultado previsível que ficou evidente que aconteceria logo após a realização da audiência pública pela clara posição dos vereadores naquele momento.
Não adiantou mostrar as perdas para a categoria e para os alunos, o plágio evidente do anexo IV de um projeto baiano; o não exito na cidade de Monte Alegre - RN quando foi lá implementado; a falta no documento de 10 anexos, dentre muitos outros melíficos que estavam nas entrelinhas.
Valeu de fato a submissão da bancada governista ao Poder …

Política: O que muda para Nova Cruz com o governo Targino Pereira...