Pular para o conteúdo principal

2016 é ano de eleições: relembre o que muda com a Reforma Política...

Embora não tenha sido como o esperado, a aprovação e sanção da Reforma Política trará algumas mudanças para as campanhas políticas e eleições. Iniciando 2016, ano de eleições para prefeito e vereadores, é importante lembrar o que muda a partir de agora, com a sanção da presidente Dilma Rousseff, ocorrida em 29 de setembro de 2015.

Vetos à Reforma total


A presidente concordou com praticamente tudo que foi aprovado pelo Congresso Nacional naquele mesmo mês, apenas 20 dias antes da sanção. No entanto, Dilma Rousseff vetou alguns pontos, como o financiamento empresarial de campanhas eleitorais.


Doações inconstitucionais


As doações de empresas para campanhas eleitorais foram barradas, segundo o texto publicado no Diário Oficial da União (DIU), seguindo orientação do Supremo Tribunal Federal (STF), que por oito votos a três, considerou esse tipo de doação inconstitucional.


Veto impresso em 2018


O importante voto impresso em urnas eletrônicas, também vetado pela presidente foi revalidado pelos parlamentares no dia 18 de novembro, mas, só passa a valer a partir das eleições de 2018. Dilma teve que promulgar a lei que determina a impressão do voto no dia 26 do mesmo mês.


Despesas com voto impresso


Com a aprovação do voto impresso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez as contas e já sabe de quanto será a despesa para fazer valer o direito do eleitor. Ao todo, serão gastos R$ 1,8 bilhão com a compra de mais de 830 mil novas impressoras, quase 193 mil novas urnas, bobinas de papel, entre outras despesas. Mesmo com o custo altíssimo, vale a pena o investimento.


Principais mudanças


Veja as principais mudanças trazidas com a Reforma Política sancionada no dia 29 de setembro de 2015, e que você precisa saber para ajudar a fiscalizar o processo eleitoral, já a partir de 2016.


  • Campanhas eleitorais terão duração de 45 dias e não mais de 90 dias.
  • As filiações que permitem ao candidato concorrer às naquele mesmo ano, devem ocorrer seis meses antes das eleições e não mais um ano antes.
  • A propaganda política transmitida pelas emissoras terá duração de 35 dias e não mais de 45 dias.
  • A distribuição do tempo reservado à propaganda eleitoral também sofreu alterações.
  • Voto impresso em urnas eletrônicas – a partir de 2018.
  • As convenções partidárias devem acontecer de 20 de julho a 5 de agosto do ano da eleição.
  • A propaganda eleitoral começa a partir de 15 de agosto do ano da eleição.
  • Pré-candidatos que sejam apresentadores ou comentaristas de programas transmitidos por emissoras devem sair do ar no dia 30 de junho do ano da eleição.
  • A Propaganda Eleitoral Gratuita na televisão e no rádio deverá ser transmitida nos 35 dias anteriores à antevéspera das eleições.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Candidatos a professor temporário já podem realizar suas inscrições...

Já está disponível a inscrição para professor temporário para o estado do Rio Grande do Norte. 


O candidato que desejar concorrer a uma vaga deve preencher a ficha, fazer o pagamento da inscrição, efetuar o pagamento da taxa de inscrição e  entregar todos os documentos na respectiva DIRED do município para qual optou na Ficha de Inscrição, até às 13 horas, do dia 10 de maio de 2017.

Para ter acesso a inscrição CLICK AQUI.

Nova Cruz: Câmara Municipal mostra submissão ao executivo e aprova projeto que "enterra" direitos do professor...

Tudo dentro do Script.
Sabe aquele filme de terror que tem muita trama, mentiras, traições, mas todo mundo sabe como acaba. Foi assim com a votação do Projeto de Lei 006/2017 enviado pelo prefeito de Nova Cruz, Targino Pereira e aprovado pela maioria absoluta da Câmara Municipal de Nova Cruz.
A Sessão Ordinária desta sexta-feira (30), mas que teve sabor de 13, marcou o fim dos trabalhos do primeiro semestre do Edis, mas manchou de forma imensurável a educação do município de Nova Cruz de forma negativa.
Um resultado previsível que ficou evidente que aconteceria logo após a realização da audiência pública pela clara posição dos vereadores naquele momento.
Não adiantou mostrar as perdas para a categoria e para os alunos, o plágio evidente do anexo IV de um projeto baiano; o não exito na cidade de Monte Alegre - RN quando foi lá implementado; a falta no documento de 10 anexos, dentre muitos outros melíficos que estavam nas entrelinhas.
Valeu de fato a submissão da bancada governista ao Poder …

Política: O que muda para Nova Cruz com o governo Targino Pereira...