Pular para o conteúdo principal

O padre José Adelson, pároco da Igreja Matriz da cidade de Santo Antônio/RN, figura na lista de servidores da Assembleia Legislativa do RN. É sabido de todos que há muitos anos ele é servidor daquela casa legislativa. Contudo, é interessante registrar que, concomitantemente com o cargo na AL, ele já foi direto da 3ª Dired, localizada em Nova Cruz e Secretário de Administração em Santo Antônio na gestão do ex-prefeito dr Gilson. 


Atualmente, Adelson é Secretário de Educação e Cultura em Brejinho. Ou seja, estava e continua em situação de acumulação irregular de cargos públicos. Resta saber como ele consegue dar expediente em todos esses locais, praticamente, ao mesmo tempo… Ah, já ia esquecendo que ele também possui um CNPJ ativo em seu nome (13.607.271/0001-51), provavelmente um escritório de contabilidade já que ele é contador registrado no CRC/RN.

Este fato por si só não seria ilegal se ele não fosse servidor público. Mas, cabe ao TCE verificar se há conflito de interesses entre o fato dele ter escritório contábil e ser, duplamente, servidor público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Candidatos a professor temporário já podem realizar suas inscrições...

Já está disponível a inscrição para professor temporário para o estado do Rio Grande do Norte. 


O candidato que desejar concorrer a uma vaga deve preencher a ficha, fazer o pagamento da inscrição, efetuar o pagamento da taxa de inscrição e  entregar todos os documentos na respectiva DIRED do município para qual optou na Ficha de Inscrição, até às 13 horas, do dia 10 de maio de 2017.

Para ter acesso a inscrição CLICK AQUI.

Política: O que muda para Nova Cruz com o governo Targino Pereira...

Prefeito de Nova Cruz Targino Pereira deverá restituir cofre público municipal em mais de 900 mil...

Atual prefeito da cidade de Nova Cruz é condenado pelo  TCE- PB, que  decidiu na última quarta-feira (12), por maioria, que o então ex-prefeito de Tacima, Targino da Costa Pereira Neto, deve restituir aos cofres municipais importância superior a R$ 900 mil, em razão de irregularidades que, em meio a outras, incluíram gastos públicos com campanha eleitoral e festa da vitória, folha de pessoal de fazenda particular, uso indevido de recursos do Fundeb e pagamentos por obras não executadas.  A decisão encontra-se no site do TCE do Estado da Paraíba que relata condenações a outros gestores públicos do estado. 
Para ler direto do Site do TCE CLICK AQUI. Fonte: Ascom/TCE-PB